Compartilhe, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Postado em:

Gestão de restaurantes: conheça 3 dicas para administrar o seu negócio

Neste post, vamos abordar um tema diferente, voltado àqueles empreendedores que já possuem o seu restaurante próprio!

Aqui no blog, já falamos bastante sobre como montar o seu próprio negócio no ramo da gastronomia, seja ele um bar, um restaurante, um food truck e até mesmo um açougue.

Neste post, vamos abordar um tema diferente, voltado àqueles empreendedores que já possuem o seu restaurante próprio e batalham todos os dias para torná-lo bem sucedido e mantê-lo em funcionamento: a gestão.

Fazer a gestão de um restaurante não é fácil. Trata-se de um dos estabelecimentos de mais difícil sobrevivência no mercado. A concorrência é muito grande, o país impõe inúmeras dificuldades ao empreendedor e as instabilidades política e econômica não colaboram para dar segurança a quem deseja investir.

Para se ter uma ideia, metade dos restaurantes e bares abertos no Brasil fecham antes de completarem dois anos. Nesse cenário, saber como fazer a gestão do seu restaurante é fundamental para se manter competitivo e firme no caminho rumo ao sucesso.

3 dicas que vão garantir uma boa gestão para o seu restaurante

Capacite sua equipe

Uma equipe bem treinada é fundamental para oferecer produtos e serviços de qualidade. Por isso, invista em treinamentos frequentes e capacite seus colaboradores – da cozinha e do salão – para garantir que tanto os pratos quanto o atendimento ofertados sejam de excelência.

No mercado, considera-se ideal destinar cerca de 10% das horas trabalhadas em treinamentos. Assim, um restaurante que funciona 40 horas semanais deveria dedicar, pelo menos, 4 horas por semana para capacitação da equipe.

Também é possível aproveitar a entrada de um novo funcionário, por exemplo, para realizar novos treinamentos.

Aqui, é importante repassar tudo: enquanto o time de atendimento deve ser relembrado da importância de uma boa postura, paciência e simpatia com os clientes, o pessoal da cozinha deve sempre repassar as boas práticas de manipulação de alimentos, higiene e segurança.

Foque na segurança

Segurança no trabalho é um assunto delicado e merece toda a atenção por parte dos gestores do restaurante. Afinal, em um ambiente cheio de objetos pontiagudos, fogo, óleo fervendo e fornos quentes, é preciso garantir o bem estar e a integridade de todos os colaboradores.

Nesse sentido, a segurança começa no básico: a ergonomia. Funcionários que passam o dia todo curvados sobre balcões manipulando alimentos estão mais propensos a problemas de coluna e, por isso, precisam de descansos frequentes.

O mesmo vale para quem realiza tarefas repetitivas, como cortar cebolas ou descascar batatas. O trabalho constante e prolongado pode provocar lesões por esforço repetitivo (LER).

Além disso, é essencial evitar acidentes. Para isso, é importante contar com um mapa de risco, que ajuda a identificar os pontos mais propensos a acidentes e alertar os colaboradores que realizam determinadas tarefas a sempre utilizarem os equipamentos de proteção individual (EPI). 

Sendo assim, vale afixar alertas bastante visíveis sobre como manipular e higienizar os equipamentos, especialmente aqueles que oferecem mais riscos, como moedores e fritadeiras a óleo.

Ouça o que o cliente tem a dizer

A opinião da clientela é uma das melhores ferramentas para quem deseja entender melhor o seu negócio e melhorar a gestão do seu restaurante.

Procure saber o que os seus clientes pensam e busque aprender com as críticas e elogios que receber. Invista em pesquisas de satisfação e crie formas rápidas para avaliar o que os consumidores têm achado da comida e do serviço oferecidos no seu restaurante.

Para isso, evite formulários escritos; ninguém gosta de preenchê-los. Em vez disso, pergunte ao cliente no momento do pagamento no caixa, ou utilize alternativas mais modernas, como as maquininhas de pesquisa espontânea – aquelas com botões com quatro carinhas (ótimo, bom, regular e fraco).

Hoje em dia, com as redes sociais, as pessoas estão mais engajadas do que nunca, e sentem-se motivadas a expressar sua opinião sobre os produtos, serviços e marcas que consomem. Use isso a seu favor e interaja com o público on-line, estando sempre atento às avaliações e comentários que recebe no Facebook, Google ou qualquer outra plataforma.

Por fim, preste atenção ao que o cliente deixa no prato. Conhecido no mercado como índice de resto-ingesta e sobras, essa prática ajuda a identificar possíveis problemas de qualidade nos preparos.

Por exemplo: se boa parte da batata frita é deixada nos pratos pelos clientes e vai parar no lixo, isso pode ser um indicativo importante de que algo precisa ser melhorado.

Gostou do conteúdo? Para ficar por dentro das novidades e tendências do setor da gastronomia, acesse o nosso site e inscreva-se na nossa newsletter!